Pôsteres de Esse Mundo é Meu (1964), de Sérgio Ricardo

Pôster polonês de Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos

Pôster polonês de Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos

czechposterman:

Happy 125th Birthday, Charlie Chaplin! We love you…

Cartaz brasileiro de Luzes da Ribalta (1952) de Charles Chaplin

Cartaz brasileiro de Luzes da Ribalta (1952) de Charles Chaplin

junalcantara:

Hermeto Pascoal & Jackson do Pandeiro

junalcantara:

Hermeto Pascoal & Jackson do Pandeiro

Return of the Jedi (1983) film poster

Return of the Jedi (1983) film poster

The Empire Strikes Back (1980) film poster

The Empire Strikes Back (1980) film poster

Alex Viany, Orson Welles e Vinícius de Moraes

Alex Viany, Orson Welles e Vinícius de Moraes

Jim Morrison and Agnès Varda

Jim Morrison and Agnès Varda

Eduardo Coutinho em Câncer, de Glauber Rocha (filmado em 1968, lançado em 1972)

Eduardo Coutinho em Câncer, de Glauber Rocha (filmado em 1968, lançado em 1972)

Pôster de Chico Rei (1985)

Pôster de Chico Rei (1985)

Far From Heaven (2002)

Pôster alemão de O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1969)

Pôster alemão de O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1969)


"Tenho pretensões de ser escritor, mas sei que sou melhor cineasta do que escritor. Eu fico às vezes surpreendido com a minha inventiva cinematográfica e escrevo com dificuldade. Eu escrevo, reviso. Eu, para publicar um texto, me torturo. Mas filmo com grande rapidez. Quer dizer: eu, na verdade, queria ser um romancista e virei cineasta. Tenho muita intimidade com a câmera, decupagem, invento com rapidez a cena. As imagens aparecem como num sonho. Pulam na frente quando estou filmando. Monto de uma forma muito moderna. Então isso é um negócio engraçado. Eu posso filmar qualquer coisa. Mas, me recuso a fazer filme de publicidade. Porque eu acho que o cinema é uma religião. Eu não aplico aquilo em outra coisa."
Glauber Rocha.

"Tenho pretensões de ser escritor, mas sei que sou melhor cineasta do que escritor. Eu fico às vezes surpreendido com a minha inventiva cinematográfica e escrevo com dificuldade. Eu escrevo, reviso. Eu, para publicar um texto, me torturo. Mas filmo com grande rapidez. Quer dizer: eu, na verdade, queria ser um romancista e virei cineasta. Tenho muita intimidade com a câmera, decupagem, invento com rapidez a cena. As imagens aparecem como num sonho. Pulam na frente quando estou filmando. Monto de uma forma muito moderna. Então isso é um negócio engraçado. Eu posso filmar qualquer coisa. Mas, me recuso a fazer filme de publicidade. Porque eu acho que o cinema é uma religião. Eu não aplico aquilo em outra coisa."

Glauber Rocha.